Alta no dólar ajudou produtor de Mato Grosso a vender soja por preço melhor, aponta IMEA

O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária informou, esta tarde, que o preço em dólar recebido pelos produtores de Mato Grosso ao final de cada safra reduziu 31,77% desde o plantio de 2012 até a safra atual (2019/20). Já a safra futura (20/21) está sendo comercializada a valores ainda menores.

“Para se ter uma ideia, nos Estados Unidos os produtores estão recebendo preços 39,24% menores nesse mesmo período, pois ganharam US$ 14,40/bushel na safra 2012/13 e agora estão recebendo em média US$ 8,75/bushel. Porém, com a valorização do dólar nos últimos anos, a saca de soja, em reais, vem batendo recorde de alta (nominal), o que auxiliou o produtor mato-grossense a aumentar o valor recebido pela sua produção nas últimas safras. Em maio, por exemplo, o dólar (Ptax) chegou a atingir R$ 5,94/US$ e a soja disponível em Mato Grosso chegou aos patamares de R$ 99,53/saca”, apontam os analistas do IMEA.

Com preço melhor e atingindo um dos maiores patamares dos últimos anos, produtores “aceleraram as vendas da oleaginosa por aqui, ao mesmo tempo que atraiu compras da China, que vem pagando cada vez menos, em dólar, pela soja brasileira”, conclui o instituto, no boletim semanal da soja, divulgado hoje.

A soja disponível em Mato Grosso fechou a semana passada, em média, a R$ 93,87.

Só Notícias (foto: arquivo/assessoria)